Na pena de Maciel Melo, o Sertão que vivi

Orgulhoso integrante da galáxia sertaneja, fã de carteirinha dos seus poetas e trovadores, li, de um fôlego só, “A poeira e a estrada”, livro autobiográfico de Maciel Melo, cantor, compositor e monstro sagrado da poesia matuta transformada em forró.

Passar os olhos na obra é fazer uma deliciosa incursão ao saudoso sertão do meu tempo de garoto.

Porque, no texto romanceado de Maciel vão surgindo personagens pinçados na sua Iguaracy, vizinha a minha Afogados da Ingazeira, no Pajeú, que povoaram a minha infância e adolescência.

Pedro Maraváia, que era o xodó de Maciel, é retratado por ele como lindo, bacana, barba grande. Mas suja, quase marrom. Um paletó velho, desbotado e também sujo, que seu Arnóbio lhe deu antes de morrer.

Calça cáqui com dois remendos nas pernas. A voz era sempre rouca e balbuciava coisas completamente sem nexo, uma conversa sem pé nem cabeça.

O poeta-cantor e agora escritor de fina escrita cita dois outros doidinhos, também familiares a este blogueiro, porque Iguaracy e Afogados da Ingazeira são cidades irmãs: Toinho Doido e João Doido.

Dos três, o mais valente, homenageado no livro, era Pedro Maraváia. Eu mesmo não conto às vezes que, imberbe, corri com medo das pedras que ele atirava quando provocado.

O livro é prazeroso e belo, como as músicas de Maciel, porque tem poesia. Maciel escreveu como se tivesse compondo uma melodia. E com o seu talento leva o leitor não sertanejo a mergulhar num mundo de poetas e sonhadores, como ele próprio, o “Caboclo sonhador”, seu maior sucesso musical.

Rico em citações e reproduções do mundo vasto da nossa literatura, Maciel recorre a Zé de Cazuza, por exemplo, para ilustrar a definição de um louco quando aborda sua admiração por Pedro Maraváia.

“Doido não possui maleta
Também não possui bagagem
Enfrenta qualquer viagem
Com roupa branca ou preta
Não tem dinheiro em gaveta
Se tem não presta atenção
Se possuísse um milhão
Trocava por um cruzado
O louco é afortunado
Porque não tem ambição.”

Com a sua pena mágica, Maciel retrata a hora mais sagrada para nós, sertanejos, às seis da noite, quando o matuto se recolhe para fazer suas meditações ouvindo na rádio Luiz Gonzaga cantar Ave Maria Sertaneja:

“Os pássaros se recolhem em seus galhos, os animais voltam para os currais, os porcos fazem suas últimas algazarras nos chiqueiros e as aves todas se aninham em seus poleiros.

Na calçada, um senhor lava os pés numa bacia. As janelas começam a se iluminar com a luz dos candeeiros. Os vaga-lumes pisca-piscam no quintal, enquanto a chaleira chia num fogão de lenha bem velhinho, construído pelo seu avô.”

E acrescenta: “A parede enfumaçada pela tisne das trempes mostra o cenário real da sua gente. A lenha de angico, encostada no cantinho da despensa, retrata a simplicidade de sua existência.

O aroma do café torrado no caco se espalha pelos cantos da casa, e o cheiro de pasto ruminado caracteriza o estilo e a realeza da vida desse povo”.

Maciel fala de pai e mãe. Heleno Louro, o pai, um negro lindo de feição singela, segundo a sua narração.

Tocador de sanfona, que veio da divisa do Pajeú com a Paraíba, de São Vicente, de um povoado conhecido como “As Cangalhas”.

A sua mãe, dona Maria de Lourdes, que vendia roupas nas feiras do Sertão, fez uma das canções de maior sucesso do seu vasto repertório: Rainha.

“Oh! Maria de Lourdes da Labuta
Em Sumé foste doce, amarga e bela
Paraíba foi tua passarela
Pernambuco te trouxe sedução.
O destino entregou sua missão
Onze itens a ti foram destinados
E a lei que constitui o teu reinado
Foi escrita com a tinha do perdão.”

Com a sua tinta, Maciel cita muitos poetas: Lourival Batista, Ivanildo Vilanova, Diomedes Mariano, este de memória privilegiada, tendo ajudado a citar vários versos de trovadores, Zé Marcolino, o monstro sagrado Pinto do Monteiro, que assim descreveu o que é ser um poeta:

“Poeta é aquele que tira de onde não tem,
Pra botar onde não cabe”.

Mas o grande homenageado de Maciel é Zeto, aquele poetinha do Pajeú que fez os versos da campanha de Arraes em 1986, quando foi eleito sobre o embalo da sua volta do exílio dizendo que entraria pela mesma porta que saiu.

Zeto – diz Maciel – não tingia seus versos de cores frias. Suas cores eram quentes como o sol do Sertão. Foi beber na fonte e por lá ficou até o último gole. Criou raízes, fez da poesia seus aposentos.

Dormiu no colo de Louro como se fosse filho, beijou a face de Jó como se fosse sobrinho, viveu no Pajeú como se fosse o próprio rio e mergulhou nas águas da existência humana até afogar-se na embriaguez de seus poemas.

A liberdade era a sua fonte de inspiração, e o improviso acelerava seu metabolismo. Metrificou as sílabas da palavra que rimava solidão e dor.

Cantou as maravilhas de um sertão cheio de encantamentos. Viveu a vida com a viola em punho, afinou seu canto ouvindo desafios e declamou segredos de amores vis.

E encerra, assim, brilhantemente:

“Zeto, glamoroso Zeto! Tu foste um ensaio de Manuel Bandeira, no palco ilustre de Florbela Espanca, e do espelho do retrovisor de Alberto da Cunha Melo viste um cantador temperando a goela, para cantar um mote de Severina Branca”.

Quem é sertanejo, como este blogueiro, marajeia os olhos com a veia poética de Maciel. Que cita muitos poetas retratando o sertão, como João Paraibano neste verso imortal:

“Eu nasci e me criei
Num pé de serra esquisito
A geladeira era um pote
O Guarda-roupa um cambito
O transporte era um jumento
E o telefone era um grito”.

Pois é! O Sertão que Maciel viveu eu também vivi. Lá, como ele retrata em sua obra, antes de rádio e os discos chegarem, os batizados , casamentos, festas de padroeiro e outros eventos eram animados por sanfoneiros, cantadores de viola, tiradores de coco (ou coquistas), bandas de pífanos e rabequeiros.

SERVIÇO: O LIVRO SERÁ LANÇADO, HOJE, COM MUITO FORRÓ E POESIA, NO PAÇO ALFANDEGA, ÀS 19 HORAS.

Fonte: Magno Martins

Anúncios

Um pensamento sobre “Na pena de Maciel Melo, o Sertão que vivi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s